Campanha

Categorias

John F. Kennedy

"O homem tem que estabelecer um final para a guerra, senão, a guerra estabelecerá um final para a humanidade."

Calendário

março 2019
S T Q Q S S D
« out    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Lista de Links


« | Main | »

Primeira Guerra Mundial – História – Parte 2

By Cap. Handerson Frota | agosto 26, 2008

Olá Soldados, como sabem o Gavrilo Pincip foi quem matou o arquiduque da Áustria-Hungria e sua esposa, causando assim a 1ª Grande Guerra, mas como ? E o principal, porque ?

Em 1914 Gavrilo Princip foi ao Parque Kosutnjak nos limites da capital sérvia, Belgrado, com uma pistola automática para praticar tiro ao alvo. Princip tinha 19 anos de idade e de acordo com seu instrutor ele não era muito bom de tiro.

“Outros alunos eram muito mais certeiros, sempre que Princip errava o alvo as pessoas em volta riam dele. Aquilo o levava às lágrimas.” – Instrutor de tiro.

Então ele escondido da vista de todos, freqüentava a floresta, lá ele tinha a oportunidade de praticar, atirando em árvores, mas o seu objetivo final não era apenas ter uma boa pontaria, seu objetivo era bem mais ambicioso.

Gavrilo Princip

Gavrilo Princip

“Eu sou um seguidor da idéia de anarquismo radical, que objetiva a destruição do presente sistema através do terrorismo.”-Gavrilo Princip

Na primavera de 1914 Princip estava em Belgrado, falando de revolução com seus amigos, então jovens bósnios ouviram falar que o Arquiduque Franz Ferdinand, visitaria Sarajevo em junho. Eles viram uma excelente oportunidade.

Major Voja Tankosic

Major Voja Tankosic

Para a sorte deles os seus planos chegaram aos ouvidos de Dimitrijevic e os Mãos Negras. Dimitrijevic estava trabalhando na Fortaleza de Kalamegdan em Belgrado como Chefe da Inteligência Militar Sérvia. E nesta mesma primavera de 1914 o Major Voja Tankosic, também dos Mãos Negras, entrou em seu gabinete com uma pergunta:

Mão Negra

Mão Negra

Major Tankosic: Eu tenho uns jovens bósnios me incomodando. Estes garotos querem dar partida a alguma “grande ação” a qualquer custo. Eles ouviram falar que Franz Ferdinand está vindo para a Bósnia e me imploraram para deixá-los ir lá.

Dimitrijevic: O que você disse?

Major Tankosic: Eu disse que eles não podiam ir. Mas eles não me deixam em paz.

Manobras das Tropas do Exército Austro-Húngaro

Franz Ferdinand estava indo para a Bósnia observar as manobras do exercíto Austro-Húngaro nas colinas perto de Sarajevo.

Como Chefe da Inteligência Dmitrijevic temia que estas manobras fossem uma cortina de fumaça, que o que Franz Ferdinand realmente planejava era uma invasão da Sérvia. Ele acreditava que qualquer coisa que desestabilizasse a Áustria-Hungria era boa para a sua amada Sérvia, e como líder dos Mãos Negras, o plano de Princip para matar Franz seriva-lhe perfeitamente.

Dimitrijevic

Dimitrijevic

Dimitrijevic: “Ótimo”, ele disse, “deixe-os ir”.

Com o aval da Mão Negra, Gavrilo Princip cruzou a fronteira da Sérvia para a Áustria-Hungria no Rio Drina, ele remou para a Ilha Isakovic, onde havia um posto de guarda sérvio. Os soldados o ajudaram a desembarcar na Bósnia. Então ele se encaminhou para Sarajevo, onde se encontrou com 6 outros que estavam lhe esperando para participar do atentado. O Major sérvio Tanjosic tinha lhes fornecido 4 pistolas, 6 bombas e pílulas para suicídio em caso de captura. Eles já estavam em Sarajevo quando Franz Ferdinand chegou na capital em 25 de junho. Eles planejavam atacá-lo 3 dias mais tarde, quando ele fosse da estação de trem para a prefeitura.

4 Pistolas, 6 bombas e pílulas para suicídio

4 Pistolas, 6 bombas e pílulas para suicídio

Na rua onde Franz iria passar, existia duas pontes, um ficaria na primeira ponte, Princip e os outros iriam cobrir o resto do caminho, aparentemente estava tudo planejado e combinado, estava sendo dado andamento o plano para matar Franz Ferdinand e mal sabiam eles(ou não) que seria o início de uma grande carnificina.

É sabido de todos que Franz escolheu errado a data de sua visita, Sarajevo estava coberta de bandeiras para a ocasião, não para a sua visita, mas 28 de junho era a data nacional sérvia.

Cidade Enfeitada

Cidade Enfeitada

“Isto irá causar muito descontentamento. Alguns jovens sérvios podem colocar uma bala de verdade em suas armas e atirar, portanto seria bom se o Arquiduque Franz Ferdinand não fosse a Sarajevo.” – com advertiu o Embaixador sérvio em Viena.

Mas os austríacos riram dos temores do embaixador e não deram muito ouvidos. Para o erro deles, mais precisamente de Franz e Sophie.

Na manha de 28 de junho, Franz Ferdinand e Sophie chegaram de trem a Sarajevo e apesar dos avisos, a segurança era leve.

Passeata

Procissão, carro com capota baixa a pedido de Franz Ferdinand.

Não existia soldados nas ruas, apenas um punhado de policiais. O carro Real era um Gräf & Stift de turismo, e a pedido de Franz andava com a capota abaixada e bem devagar, de forma que a multidão poderia vê-lo e ele podia ver o espetáculo, ou seja, era um alvo fácil para Princip e seus companheiros.

Ataques

Quando a procissão passou pela primeira ponte, o conspirador lá jogou uma bomba.

“A explosão veio imediatamente após o grito da Arquiduquesa para dirigir depressa..” – disse Oskar Potiorek que estava sentado a frente do casal real.

“Eu sempre pensei que algo assim poderia acontecer.” – Comentou calmamente o Arquiduque Franz Ferdinand.

A bomba bateu no carro explodindo atrás dele e ferindo 2 oficiais e alguns espectadores. Franz parou para perguntar sobre os ferimentos antes de correr para a prefeitura.

Estava lá o prefeito de Sarajevo que começou o seu discurso oficial de boas vindas(sic).

Chegada da comitiva à prefeitura.

Então o Arquiduque interrompeu.

“Senhor prefeito qual é o benefício dos nossos discursos ? Eu vim a Sarajevo numa visita amigável e alguém joga uma bomba em mim. Isto é ultrajante ! ”.

Bem, até então os planos dos jovens foram por água a baixo. Franz estava vivo, a segurança oficial estava em alerta máximo. Mas eis o destino…

Princip estava já indo para casa, parando na esquina da Rua Franz Joseph para comprar, acreditem, um sanduíche, foi ai então que a sua “sorte” mudou.

Saída da Prefeitura

Saída da Prefeitura

Franz Ferdinand já tinha deixado a prefeitura, e ele deveria ter sido conduzido ao longo do rio, viajando tão rápido para que não desse outra oportunidade para novos atentados.

Mas seu motorista dobrou por engano(será ?) na Rua Franz Joseph. Quando o motorista percebeu o erro, e já estava tentando voltar para a avenida principal, Princip ficou cara-a-cara com o seu alvo, era uma oportunidade única para ele, e ele não desperdiçou.

Gräf & Stift de turismo.

Gräf & Stift de turismo.

“Naquele momento, eu escutei o estalo de um tiro de pistola, seguido prontamente por outro e vi no mesmo segundo um homem em pé em frente a mim sendo jogado no chão pelas pessoas a sua volta e a espada brilhante de um guarda da segurança descendo sobre ele. “ – Oskar Potiorek, Governador da Bosnia.

Oskar Potiorek

Oskar Potiorek

“Um fino risco de sangue jorrou da boca de sua Alteza para a minha bochecha direita. A Duquesa gritou: -Em nome de Deus, o que aconteceu com você ?
Então ela escorregou do assento e caiu no chão do carro. Eu achei que ela tinha simplesmente desmaiado.

Então ouvia Sua Alteza Imperial dizer: – Sopherl Sopherl não morra fique viva para as crianças!

Eu o perguntei a ele se ele estava com muita dor ele me respondeu bem claramente: -Não é nada.” – Franz Harrach

Momento da prisão de Princip

Momento da prisão de Princip

Franz Ferdinand e Sophie morreram a caminho do hospital.

É até irônico, Franz Ferdinand era contra a guerra nos balcãs, ele “lutava” para manter uma boa diplomacia e claro garantir seu futuro como imperador, e logo ele foi assassinado. Claro, quem melhor ? Aos olhos dos “causadores”.

Sophie e Franz Ferdinand

Sophie e Franz Ferdinand

O povo de Sarajevo não sabia que alguns oficiais do exército sérvio tinha secretamente apoiado o assassinato. A sérvia tinha coisa melhor para fazer do que puxar ela própria o gatilho. Assim foi dado início ao estopim para a Primeira Grande Guerra Mundial.

No próximo relatório veremos as conseqüências deste assassinato e o seu desenrolar.

Comando dispensado.

Imagens e trechos de conversas retiradas do documentário: The First World War (A Primeira Guerra Mundial) – BBC

Be Sociable, Share!

Topics: 1ª Guerra Mundial | 15 Comments »

15 Responses to “Primeira Guerra Mundial – História – Parte 2”

  1. Juninho Says:
    outubro 8th, 2008 at 11:17

    Seus textos são ótimos ! muito bem formulados e didáticos !

    Parabéns 🙂

    Aguardo o próximo relatório!

    Boa tarde.

  2. Handerson Frota Says:
    outubro 8th, 2008 at 16:54

    Olá Juninho, obrigado, estou meio sem tempo mas prometo que em breve teremos mais posts…com a ajuda agora do Matheus Veras 😉 o site promete.

    Abraços

  3. andreia Says:
    outubro 19th, 2008 at 5:48

    eu pergunto o que foi a guerra das trincheiras e aparece que feriram soldados??!!

  4. Handerson Frota Says:
    outubro 20th, 2008 at 6:44

    Olá Andreia tudo bem.

    Bem isso foi assunto do primeiro post do site, que é o nome do site correto: http://www.handersonfrota.com.br/trincheira/trincheiras-ordens-dadas/

    Não só tiveram milhões de feridos, mas milhões de mortos. Veja no post um pouco sobre a guerra de trincheiras.

    Em breve, assim que tiver mais tempo coloco algo mais completo sobre a guerra de trincheiras 😉

    Abraços e obrigado por nos visitar.

  5. joycie bill Says:
    dezembro 7th, 2008 at 18:56

    eu adorei!!!!!
    já vi muitas historias sobre assassinato do arquiduque
    mais essa é bem diferente
    vale apena conferir!!!!!

  6. Patrícia Antunes Says:
    maio 14th, 2009 at 12:39

    gostei muito…
    Parabens..

  7. Leandro Guilherme Says:
    junho 22nd, 2009 at 13:42

    Meus Parabéns,
    um ótimo texto, estou um tempo sem estudar,
    agora fiquei até com vontade de voltar !!!

  8. Handerson Frota Says:
    junho 23rd, 2009 at 17:36

    Olá Leandro tudo bem.

    Nós do trincheiras ficamos felizes em saber disso 😀 que bom cara.

    Só queria me organizar melhor para voltar a postar, mas prometo que vou voltar a dar continuidade aos posts…

    Abraços

  9. thaianne Says:
    outubro 17th, 2009 at 8:19

    Ótimo texto quero mais,quero mais…………………….

  10. ... Says:
    março 16th, 2010 at 19:58

    Site bacana, cara.
    Pena que você parece tê-lo abandonado. Seus textos são muito bons – quem diz o contrário não passa de uma pessoa imatura – e eu, que leio por querer aprender, achei os posts magníficos.

    Parabéns.

  11. Handerson Frota Says:
    março 17th, 2010 at 13:34

    Olá, obrigado pelas palavras, mas você está parcialmente certo, o site ficou um pouco abandonado. Mas não por falta de vontade e sim por falta de tempo.

    Escrevo artigos para o meu site principal(www.handersonfrota.com.br) e para a Java Magazine(http://www.devmedia.com.br/articles/viewcomp.asp?comp=3127), fora outras responsabilidades, e isso toma muito do meu tempo.

    Estava até pensando em abrir “vaga” para outros que queiram escrever sobre o assunto aqui.

    Abraços

  12. Primeira Guerra Mundial – História – Parte 3 | Trincheiras Says:
    maio 3rd, 2010 at 11:28

    […] Primeira Guerra Mundial – História – Parte 2 […]

  13. gabriela Says:
    março 2nd, 2011 at 18:08

    a visita do príncipe herdeiro Francisco Ferdinando como uma provocação à Sérvia, se levando em conta que se tratava do mesmo dia de aniversário da batalha do Kossovo (batalha em que os servios foram vencidos pelos turcos) o que no final das contas serviu ainda mais de incentivo ao ataque

  14. Nayara Ires Says:
    outubro 2nd, 2011 at 11:22

    Incrível, Franz Ferdinand é um tipo extremamente peculiar! Terrível que eu não o tenha estudado antes, mas é justamente por isso que estou aqui agora.

  15. lauro da silva maia Says:
    julho 1st, 2014 at 6:18

    eu quero saber mais sobre a mão preta, pois sem nunca ter ouvido falar deles, eu sonhei que meu desenvolvimento espiritual esta sendo prejudicado, por eu ter sido marcado pela mão preta, então lendo a revista veja nº 26 de junho de 2014 eu vi pela primeira vez falar neste grupo, que me era totalmente desconhecido.( sem mais obrigado )

Comments