Conversando com o ChatGPT: Descubra Como o Framework CIDI Pode Fazer a Diferença

Conversando com o ChatGPT: Descubra Como o Framework CIDI Pode Fazer a Diferença
Imagem do rosto de um robô, com olhos roxos e neon com os textos ChatGPT e Framework CIDI

Fala galera blz?

Estava eu, esses dias pesquisando mais sobre o ChatGPT e me deparei com dois artigos interessantes que não me deixaram dormir enquanto eu não escrevesse algo sobre isso rsrsrsr, de tão bacana que é, e como mudou a minha forma de trabalhar com o ferramenta.  Sempre me preocupei em fazer a pergunta correta ao Chat, tentando ser claro e direto, dando o máximo de informações possível a ele, pois eu sei “mais ou menos” (época de faculdade, faz tempo rssr) como a IA funciona, então fui meio que “natural”.

Porém, nunca é tão simples assim, as vezes o chat entende literalmente o que é pedido, ou as vezes interpreta para outro caminho que baseado em alguma palavra chave ele “entendeu”, sem falar da complexidade em alguns casos de fazer a pergunta “certa” ou formular a pergunta certa.

Ao ler esses artigos isso ficou mais claro, e vi uma forma mais simples de criar essas perguntas, tipo uma “receita” que ao seguir, o resultado será bem mais coerente do que sair jogando de qualquer forma a pergunta, sem falar que fica mais simples gerar esses inputs. Só para nos contextualizarmos, um hiper resumo deles…

O primeiro (by Thorbjoern Heise) fala que nem sempre o ChatGPT entende direito o que a gente quer, até ai faz sentido.  Então o autor do artigo ensina uma técnica maneira pra otimizar as conversas com o ChatGPT. A grande sacada dele é montar os prompts(as perguntas) de um jeito específico, com uns elementos certos, pra ele entender melhor e dar uma resposta mais massa. É tipo dar umas dicas pro ChatGPT ficar ligado no que a gente quer, sacou?

O segundo (by ILona B. Schukina) fala sobre também como usar o ChatGPT,  de forma eficiente, porém a autora compartilha algumas dicas depois de experimentar por uma semana a ferramenta. Ela explica que é importante escrever prompts claros, especificando o que se espera da resposta, nada muito novo.  Também menciona a possibilidade de usar diferentes idiomas, fazer perguntas precisas e que, virou o ponto focal desse artigo, foi a primeira que vi que citou o  framework CIDI para orientar a interação com o ChatGPT.

Depois de ler eu comecei a testar esse tal de framework CIDI  para criar  as perguntas para o ChatGPT e ter respostas mais eficientes. Não vou entrar em detalhes relacionados diretamente ao ChatGPT ou como a IA funciona e nem detalhes dos artigos, vamos focar no seu entendimento, uso, e como aplicar com alguns exemplos, se quiser mais detalhes do CIDI basta clicar no link do respectivo artigo.

Framework C.I.D.I (Contexto, Instruções, Detalhes, Informações)

Tentei aqui fazer um resumo do framework em si e mostrar seu uso, porém é bom entender o que estamos fazendo aqui, e o que é realmente esse framework CIDI. Quando se trata de interagir com sistemas de inteligência artificial, como o ChatGPT, ter uma abordagem estruturada pode fazer toda a diferença e facilitar na hora de usar e ter respostas coerentes e mais eficientes. É aí que entra o C.I.D.I. (Contexto, Instruções, Detalhes, Informações). Eu vejo o C.I.D.I. como um guia simples, mas poderoso, que nos ajuda a obter melhores resultados ao usar essas ferramentas.

O Contexto é o ponto de partida, estabelece o cenário geral da interação. É como definir o papel que queremos que a IA desempenhe – seja um assistente pessoal, um programador, um professor, entre outros. As Instruções são as ações concretas que queremos que a IA execute, o que realmente ela tem que fazer, como escrever um código, criar um discurso persuasivo ou resolver um problema matemático. Os Detalhes permitem moldar, melhorar a resposta da IA, fornecendo informações adicionais, como o tom desejado (formal, informal) ou a formatação específica (tópicos, gráficos, tabela etc). Por fim, as Informações são os dados concretos que a IA precisa para executar a tarefa, como estatísticas atualizadas, exemplos relevantes, datas, nomes ou fatos históricos.

Muita coisa? Calma, vamos detalhar cada letrinha do CIDI:

Contexto: Esta seção estabelece o cenário geral para a interação. O contexto fornece o quadro geral de como a conversa deve prosseguir. Por exemplo, o usuário pode definir que quer que a IA aja como um assistente pessoal, um tutor de matemática, um contador de histórias, um palestrante renomado etc.

Exemplos:

Contexto: Você agora é um programador Java renomado

Contexto: Imagine que você é um detetive investigando um crime.

Contexto: Você é um chef renomado em busca de uma nova receita.

Contexto: Como um viajante experiente, você deseja compartilhar dicas sobre destinos turísticos.

Contexto: Imagine que você é um professor preparando uma aula sobre astronomia.

Instruções: Aqui, o usuário fornece comandos específicos sobre o que deseja que a IA faça. As instruções são ações concretas que a IA deve realizar. Por exemplo, escrever um email, criar um poema, resolver um problema de matemática, escrever um código, criar uma tabela em html etc.

Exemplos:

Instrução: Escreva um código que resolva a Torre de Hanói

Instrução: Escreva um poema sobre o amor e a felicidade.

Instrução: Descreva as etapas para montar um móvel de montar.

Instrução: Crie um discurso persuasivo sobre a importância da reciclagem.

Instrução: Elabore um relatório analítico sobre as tendências do mercado financeiro.

Detalhes: Nesta seção, o usuário fornece informações adicionais que ajudam a moldar a resposta da IA. Por exemplo, para um email, o usuário pode especificar o tom (formal, casual), o objetivo (pedir um favor, agradecer, reclamar), etc.

Exemplos:

Detalhes: O código deve ser o mais otimizado possível, evitar uso de variáveis.

Detalhes: Use uma linguagem descontraída e exemplos práticos para tornar o texto mais acessível.

Detalhes: Adote um tom formal e utilize fontes confiáveis para respaldar as informações apresentadas.

Detalhes: Organize o texto em tópicos para facilitar a leitura e a compreensão.

Detalhes: Utilize gráficos e visualizações para ilustrar dados complexos de forma clara.

Informações: Aqui, o usuário fornece dados concretos que a IA deve usar na execução da tarefa. Por exemplo, para um email sobre um voo, o usuário pode fornecer o número do voo, a data e a hora, o destino, etc.

Exemplos:

Informações: Número do voo: AA123 Data e hora do voo: 10 de junho de 2023, às 15:30 Destino: Paris, França. 

Informações: Ingredientes: 2 xícaras de farinha de trigo, 1 colher de chá de fermento em pó, 1/2 xícara de açúcar, 2 ovos, etc. Tempo de cozimento: 30 minutos Modo de preparo: Misture os ingredientes secos, adicione os ovos e mexa bem, etc..

Informações: Data: 15 de junho de 2023 Horário: 10:00 - 11:30 Local: Sala de conferências B Participantes: João, Maria, Pedro, Sitedoevento.com.br 

Informações:  População-alvo: Mulheres entre 25 e 40 anos Perguntas: Você está satisfeita com o produto X? Quais melhorias você sugeriria? etc. Amostra: 500 respondentes

Juntando tudo, teremos algo assim:

Contexto: Define o cenário ou ambiente para a conversa ou tarefa que o ChatGPT deve realizar.

Instruções: Direciona o que exatamente o ChatGPT deve fazer.

Detalhes: Fornece informações mais específicas para ajudar o ChatGPT a entender melhor o pedido.

Informações: Normalmente se refere a quaisquer fatos ou dados adicionais que o ChatGPT possa precisar para realizar a tarefa e/ou usar como referência.

Você pode fazer também de uma forma mais descritiva, veja os exemplos:

Contexto: Aja como um assistente pessoal que ajuda a organizar minha agenda.

Instruções: Quero que você me ajude a escrever um email para o meu chefe.

Detalhes: O email deve ser formal e educado, explicando que eu estou doente e não consigo trabalhar amanhã.

Informações: O nome do meu chefe é Sr. Zuperman, e eu trabalho no departamento de vendas da empresa ABC.
ChatGPT executando o exemplo

Forma descritiva: 

Aja como um assistente pessoal que ajuda a organizar minha agenda e quero que você me ajude a escrever um email para o meu chefe. O email deve ser formal e educado, explicando que eu estou doente e não consigo trabalhar amanhã. O nome do meu chefe é Sr. Zuperman, e eu trabalho no departamento de vendas da empresa ABC.
Contexto: Aja como um programador Java muito experiente

Instruções: Quero que você resolva a Torre de Hanoi

Detalhes: O código deve ser otimizado, respeite as boas práticas do Clean Code, crie variáveis claras.

Informações: Deve ser feito para ser executado no console (DOS ou Linux) e com comentários e java doc.
ChatGPT executando o exemplo

Forma descritiva:

Aja como um programador Java muito experiente e Quero que você resolva a Torre de Hanoi. O código deve ser otimizado, respeite as boas práticas do Clean Code, crie variáveis claras.  Deve ser feito para ser executado no console (DOS ou Linux) e com comentários e java doc.
ChatGPT executando exemplo descritivo
Contexto: Imagine que você é um assistente pessoal virtual que ajuda a organizar tarefas diárias.

Instruções: Por favor, crie um lembrete para eu pagar a conta de luz até o final do dia.

Detalhes: O lembrete deve ser configurado com uma notificação para o horário das 18:00 e uma descrição clara.

Informações: Minha conta de luz vence hoje e eu não quero esquecer de pagá-la. Valor dela é de R$ 230,00

Forma descritiva: 

Imagine que você é um assistente pessoal virtual que ajuda a organizar tarefas diárias. Por favor, crie um lembrete para eu pagar a conta de luz até o final do dia. O lembrete deve ser configurado com uma notificação para o horário das 18:00 e uma descrição clara. Minha conta de luz vence hoje e eu não quero esquecer de pagá-la. Valor dela é de R$ 230,00

As duas maneiras tem a mesma eficácia e resultados semelhantes e as vezes idênticos.

Ao utilizar essa técnica/framework, podemos melhorar a comunicação com a IA, direcionando-a de forma mais precisa e obtendo respostas mais relevantes. E o mais interessante é que não importa qual situação ou contexto do seu dia a dia, seja você um programador resolvendo um problema de lógica, um escritor em busca de inspiração ou um profissional de negócios elaborando estratégias, o C.I.D.I. pode ser aplicado em uma enorme variedade de situações para maximizar o potencial das interações com a inteligência artificial.

Um parêntese aqui, também podemos ter o “GUIDE” (General context, User instructions, Individual details, Data and information, Execute) que na minha visão é bem mais fluente, mas é bem semelhante ao CIDI, lembrando que isso é apenas conceitual.

Exemplo de GUIDE:

General context: Aja como um tutor de matemática.

User instructions: Eu preciso de ajuda para resolver um problema de álgebra.

Individual details: O problema envolve a solução de uma equação quadrática e eu estou lutando para entender o método de completar o quadrado.

Data and information: A equação é  - 6x + 8 = 0.

Execute: Por favor, resolva a equação passo a passo, explicando cada etapa para que eu possa entender.

Como podemos observar é quase a mesma coisa, apenas outra forma de falar.

Voltando ao CIDI, achei muito útil e muito bacana essa forma de fazer, pois os resultados foram bem mais coerentes. Lembrando que você pode usar o CIDI para formular a pergunta e assim usar a forma descritiva.

Tive várias ideias bacanas quando estava fazendo esse artigo, algumas formas de otimizar ainda mais isso, mas a ideia aqui era passar essa técnica que vai melhorar muito sua experiência com o ChatGPT, então vou deixar essas ideias para outro post 😉, assim da tempo você brincar um pouco.

Já usa o ChatGPT ou outra ferramenta de IA? Testou o que fizemos aqui? Deixa ai nos comentários o que você achou.

Espero que tenham gostado e até a próxima.

4 Comments on “Conversando com o ChatGPT: Descubra Como o Framework CIDI Pode Fazer a Diferença

  1. Muito massa, podemos ver que o computador continua sendo uma máquina que precisa de orientações precisas e detalhadas, podemos ver com isso que sempre podemos trabalhar melhor a nossa comunicação com as pessoas e a maneira em que lidamos com as máquinas.

  2. Fala, Victor, blz? Valeu pelo comentário! Muito bem observado, isso vale tanto para lidar com máquinas como o GPT, quanto na nossa interação diária com as pessoas. Afinal, uma boa comunicação é a chave para um entendimento eficaz, seja com humanos ou IA. Vlw cara , abraços!

  3. Gostei muito do artigo, bem explicado, vou esperar por mais atualicacoes da IA com voce, muito obrigada

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.